Entenda o que é governança de TI em 3 modelos

Não é segredo nenhum que, atualmente, a tecnologia é uma peça-chave para o funcionamento de todos os setores, processos e operações de uma empresa. Ela viabiliza a maior eficácia e integração desses elementos, o que faz com que a governança de TI se torne cada vez mais importante para as organizações.

Por isso, o investimento em TI deixou de ser uma tarefa exclusiva das companhias de grande porte. Hoje, adotar ferramentas tecnológicas é visto como uma etapa crucial para qualquer empresa que queira aumentar a sua produtividade e alcançar destaque no mercado.

É nesse contexto que entra a governança de TI. Ela é uma maneira de alinhar a estratégia de TI com a de negócios para aprimorar a tomada de decisões, aproveitar os recursos tecnológicos disponíveis e conseguir resultados cada vez melhores.

Quer saber como isso é feito e os principais modelos de governança de TI? Então veja o nosso post abaixo!

O que é a governança de TI?

A governança de TI consiste em um conjunto de estratégias, políticas, métodos e papéis que alinham o plano estratégico ao plano de negócios. Dessa forma, a empresa poderá ter a tecnologia como a sua aliada em várias rotinas, o que assegura a realização dos objetivos corporativos.

Além disso, ela dá aos profissionais a capacidade de atuar de modo estratégico no atendimento às demandas dos clientes e dos parceiros comerciais. Ou seja, a política de governança de TI, em conjunto com as estratégias de gestão de TI, é responsável pelo planejamento, desenvolvimento, execução e monitoramento da TI da maneira mais eficaz possível.

Esse trabalho é direcionado de acordo com as diretrizes, missões e metas estratégicas definidas pela governança corporativa.

Como a governança de TI afeta a empresa?

A governança de TI traz grandes mudanças para o negócio. As três principais são as seguintes:

Conformidade com as normas

Em muitos cenários, a maneira atual é regulada por várias normas e legislações de mercado e tais regras podem afetar a forma como a infraestrutura de TI é projetada e gerenciada.

Cabe ao time de governança definir uma boa abordagem para tais dilemas, de modo a garantir a conformidade da TI e dos negócios com as questões legais, normas, políticas e regulamentações que a corporação deve cumprir.

Minimização de riscos

Por meio da análise de informações sobre sistemas de TI, do perfil do negócio e das experiências anteriores, a pessoa responsável por definir as estratégias de governança de TI traçará os principais problemas que podem afetar os processos do empreendimento.

Dessa forma, é possível criar rotinas preventivas mais eficazes e inteligentes, antecipando eventuais problemas.

Transparência

A governança de TI também torna as rotinas do setor mais transparentes. Para que isso seja possível, os processos devem ser traçados com o apoio de uma comunicação contínua entre a área e os usuários.

Assim, torna-se mais fácil para as pessoas que estão em outros setores compreenderem como as rotinas estão estruturadas. O mesmo vale para os seus objetivos e normas.

Embora a governança de TI seja responsabilidade de diretores e gestores da empresa, ela também requer a participação de profissionais técnicos, usuários e fornecedores, garantindo assim, um controle melhor dos impactos da tecnologia e a entrega de valor para o negócio.

Por que investir em governança?

A adoção de uma boa governança de TI, implica em diversos benefícios. O maior alinhamento das rotinas do setor com outras áreas, melhora o fluxo de trabalho dos técnicos, amplia a performance da infraestrutura e, também, a sua confiabilidade. Confira abaixo as principais vantagens de investir nessa abordagem:

  • promove um alinhamento consistente da TI com as estratégias e objetivos corporativos;
  • identifica, implementa e aperfeiçoa os processos, recursos e ferramentas que permitem que a TI execute as suas atividades com eficiência operacional;
  • alinha a arquitetura, a infraestrutura e as aplicações da TI às necessidades atuais e futuras do negócio;
  • assegura o uso eficaz de indicadores de desempenho, alinhando os resultados às estratégias de TI e de negócios da organização;
  • fomenta uma cultura de TI dentro da empresa, incorporando em sua estrutura organizacional uma equipe voltada para a governança de TI;
  • entrega os benefícios esperados pelo corpo de governança e órgãos regulatórios;
  • reduz riscos de TI e contribui para a automação de tarefas operacionais, economizando tempo e despesas;
  • dimensiona e gerencia a demanda por serviços de TI de outros departamentos.

Quais os principais modelos de governança de TI?

Existem diversas estruturas, práticas e modelos que podem servir como base na hora de aplicar um programa de governança de TI em uma organização. Essas “melhores práticas” também são chamadas de frameworks.

Os três principais frameworks aplicados na governança e gestão de TI são COBIT, ITIL e Lean IT. Saiba mais sobre os fundamentos e estruturas desses frameworks a seguir:

COBIT

COBIT — acrônimo para “Control Objectives for Information and Related Technologies” — é um framework focado em governança de TI, criado em 1994 pelo ISACA. Esse framework, que já está em sua quinta versão — COBIT 5 Modelo Corporativo para Governança e Gestão de TI da Organização —, propõe cinco domínios fundamentais que estão divididos entre governança e gestão:

Domínio de governança:

Essa parte pretende avaliar, dirigir e monitorar — EDM — os recursos de TI.

Domínios de gestão:

O domínio de gestão trabalha com quatro bases, que são:

  • alinhar, planejar e organizar o setor de infraestrutura da melhor forma possível — APO;
  • construir, adquirir e implementar novas soluções conforme as demandas e metas da empresa — BAI;
  • entregar serviços e suporte ao usuário de qualidade — DSS;
  • monitorar, avaliar e analisar a melhor forma de direcionar as atividades de gestão e apoio do setor de TI, conforme as metas e necessidades de cada área — MEA.

O COBIT 5 fornece orientação por meio dos 37 processos distribuídos nos cinco domínios — 1 de governança e 4 de gestão. Eles ajudam na identificação das práticas mais adequadas à realidade e aos objetivos específicos da empresa.

Além disso, têm como base a análise das práticas, o uso de indicadores de performance — KPIs (Key Performance Indicators), a implementação de KGIs (Key Goal Indicators) e CSFs (Critical Success Factors) — e da correção de não-conformidades. Dessa forma, fica mais fácil dividir e delegar tarefas, além de avaliar eficientemente o grau de interação entre os processos.

ITIL

ITIL ​— Information Technology Infrastructure Library — foi desenvolvido no final da década de 1980 pela CCTA. Esse framework corresponde a um conjunto de boas práticas para gerenciamento de serviços de TI.

Atualmente em sua terceira versão, o ITIL determina que o gerenciamento de serviços de TI seja estruturado com base no ciclo de vida dos serviços. Esse ciclo compreende 5 etapas, quais sejam:

  • estratégia;
  • desenho;
  • transição;
  • operação;
  • melhoria contínua.

No entanto, é preciso ressaltar que o ITIL não é uma metodologia. Ele deve ser visto como um guia de referência para a gestão dos serviços de TI. Dessa forma, empresas que queiram aplicar o ITIL devem seguir as orientações gerais e então desenvolver processos específicos dentro do contexto da organização.

Lean IT

Lean IT é um modelo que aplica conceitos do pensamento Lean — Lean Thinking — e do Sistema Toyota de Produção na área da TI. Seus principais objetivos são a redução de desperdícios, melhoria contínua e aumento da qualidade e do valor entregue ao cliente. Isso gera mais produtividade e um melhor uso dos recursos disponíveis para o trabalho.

As bases do Lean IT

O Lean possui cinco bases para estruturar rotinas, quais sejam:

  • especificação do valor;
  • identificação do fluxo de valor;
  • garantia do fluxo contínuo;
  • demanda puxada;
  • busca pela perfeição — melhoria contínua.

Como a adoção do Lean exige uma grande mudança na cultura organizacional e no comportamento dos colaboradores, a implementação do Lean IT em uma corporação é conhecida como Lean Transformation Program — Programa de Transformação Lean.

Ele passa por uma série de etapas para que os profissionais possam compreender a importância dessa maneira de gerenciar as rotinas de trabalho. Após a implementação da metodologia Lean, a companhia terá um setor de TI melhor estruturado e capaz de executar rotinas com alto valor agregado.

Val IT

O modelo Val IT foi criado pelo Instituto de Governança de TI — ITGI, ou IT Governance Institute no original. Publicado em 2006 e revisado em 2008, ele auxilia profissionais de TI a demonstrarem o valor da tecnologia para o negócio e como é possível buscar estratégias para maximizar a performance de cada time.

Considerados por muitos como complementar ao COBIT, o Val TI auxilia a empresa a ter o máximo de retorno com os seus investimentos em TI. As rotinas de tomada de decisão e investimentos da área passam a ter um foco maior nas estratégias de médio e longo prazos, assim como nas demandas de cada setor. Assim, o time pode escolher soluções com um alto retorno sobre o investimento.

Boas práticas de governança de TI

Apesar da grande quantidade de informações e frameworks para governança de TI disponíveis atualmente, é preciso ir além da implementação de um modelo para alcançar os melhores resultados.

Ao adotar um modelo como guia para a governança de TI, uma empresa deve, necessariamente, avaliar e considerar todos os fatores que impactam no sucesso das estratégias de TI. Isso envolve as especificidades da infraestrutura, as demandas de cada usuário, a cultura organizacional do negócio e a estrutura de suas rotinas. Assim, será desenvolvida uma estratégia empresarial única para a companhia.

Nesse contexto, é essencial estimular o comprometimento dos colaboradores e das equipes de TI no alinhamento das metas e objetivos da empresa, com maior flexibilidade, transparência na comunicação das ideias e soluções e clareza sobre o papel dos envolvidos no resultado final.

Entendeu o que é governança de TI e quer saber mais sobre o assunto? Confira nosso post sobre como alinhar a governança de TI com outras áreas e tenha sucesso em seu negócio.

Ao longo do nosso artigo, te mostramos como o uso dos frameworks COBIT e ITIL pode ser vantajoso na hora de aplicar um programa de governança de TI em sua organização, mas muitas dúvidas podem surgir na hora de diferenciar essas melhores práticas. Acesse o nosso ebook gratuito e entenda de vez as diferenças entre COBIT e ITIL e como podem ser usados em conjunto:

capa de ebook de cobit x itil com imagem formando um X separando a marca dos dois frameworks.

No Comments Yet.

Leave a comment