Como fazer um bom planejamento estratégico em 8 passos

Manter a competitividade das empresas tem sido uma tarefa cada vez mais difícil. Uma das explicações para isso é que, após a crise que afetou o país, os empresários arregaçaram as mangas e adotaram métodos de otimização, como a redução de custos, aliados ao aumento da produtividade com qualidade.

O planejamento estratégico é o melhor caminho para alcançar esses resultados. Com ele, você pode fazer o mesmo pelo negócio em que atua.

Neste artigo, preparamos um passo a passo para ajudar você a criar um bom planejamento estratégico. Afinal, esse é o melhor caminho para elevar o potencial competitivo da empresa e diferenciá-la no seu segmento de atuação. Então, acompanhe nossas 8 dicas!

1. Comece definindo missão, visão e valores

A primeira coisa que você deve fazer para ter um planejamento estratégico eficiente é determinar a missão, a visão e os valores da empresa. Isso vai ajudar na criação de uma cultura organizacional e dar um direcionamento sobre as principais razões de existência do negócio, sejam elas lucrativas ou não.

  • Missão — você deve especificar o principal objetivo do negócio. Um provedor de cloud computing pode ter como missão, por exemplo, entregar soluções tecnológicas a preços competitivos tanto a pessoas quanto a empresas;
  • Visão — agora, com base na missão, você deve detalhar até onde quer chegar com o negócio. Seguindo o exemplo dado acima, a resposta pode ser: alcançar um reconhecimento mundial pela qualidade dos produtos e serviços que presta, tornando-se referência em soluções tecnológicas;
  • Valores — por fim, é preciso personificar crenças, comportamento, ética e métodos que serão adotados para alcançar a visão descrita acima. No caso do provedor de cloud computing, um valor pode ser: uso das melhores práticas do mercado para evoluir de forma contínua, caminhando lado a lado com a sustentabilidade.

2. Estabeleça metas e objetivos realistas

As metas e os objetivos representam os locais ou os resultados pretendidos por alguém em um tempo futuro. A maioria das empresas utiliza essa estratégia para dar um direcionamento aos gestores e seus colaboradores departamentais.

Sem isso, cada um trabalharia ao seu modo, sem conhecer seus próprios potenciais e limites, ao passo que companhia ficaria dependente da boa vontade dos profissionais para ter bons resultados. Portanto, não é recomendável deixar que isso aconteça.

Para definir metas e objetivos corretamente (nem muito abaixo nem acima do potencial de alcance), o indicado é usar uma base de dados (histórico de registros) para, com referência nos resultados passados, realizar uma projeção e traçar novos alvos.

3. Faça uma análise interna detalhada

Uma auditoria interna ajuda a empresa a descobrir pontos fracos (falhas) e fortes (diferenciais). Esse diagnóstico é fundamental para elaborar planos de melhorias, corrigindo possíveis fraquezas e potencializando as forças do negócio.

Você pode utilizar a matriz SWOT (Strengths — forças; Weaknesses — fraquezas; Opportunities — oportunidades; Threats — ameaças) no mapeamento dos pontos fortes e fracos. Tal recurso fornece uma visão mais detalhada de onde e como é preciso agir.

4. Analise o cenário econômico

Não é só internamente que você deve concentrar suas atenções, pois diversos fatores externos podem afetar diretamente a empresa. Esse é o caso de:

  • crises políticas e econômicas (como a que vivemos recentemente);
  • alterações na legislação tributária;
  • mudanças no hábito de compra dos consumidores;
  • movimentos da concorrência;
  • tendências de mercado etc.

Ou seja: o negócio precisa preparar-se para encarar qualquer tipo de imprevisto que possa surgir, não permitindo que isso interrompa o processo de continuidade do plano inicialmente traçado.

Para tanto, você pode incluir o cenário externo (riscos, ameaças e oportunidades) na análise SWOT, descrita acima, e aumentar o potencial do diagnóstico, tendo uma visão mais abrangente do mercado e de como a companhia se insere nele. Isso ajudará a estabelecer projeções de resultados mais realistas.

5. Conheça o público-alvo

Como os clientes são as principais fontes de receita de um negócio, conhecê-los melhor é a base para um bom desempenho nos resultados futuros. Então, dedique-se a uma pesquisa direta: inclua dados sobre aspectos geográficos, demográficos, psicográficos e comportamentais que ajudem a definir, com máxima precisão, o perfil do público-alvo.

Depois de descobrir para quem deve vender, procure por maneiras de fidelizar o cliente. Com as informações certas, é possível planejar ações de marketing e vendas antecipadas, surpreendendo positivamente o consumidor.

Atitudes simples, como desejar feliz aniversário no dia certo ou avisar sobre o lançamento de um produto ou serviço que é de interesse da pessoa, podem fazer toda a diferença.

6. Crie estratégias de negócios

Só o fato de preparar um planejamento estratégico dará à empresa uma boa vantagem competitiva. Mas, para alcançar resultados realmente satisfatórios, o ideal é que sejam definidas ações que a levem a se destacar da concorrência.

Uma dica é adotar a segmentação de mercado para encontrar formas de atender às necessidades e aos desejos mais específicos do público-alvo. Essa prática tem ajudado as organizações a descobrirem grandes oportunidades de negócios e levado muitas delas a identificar um caminho perfeito para se tornarem líderes de fatias do mercado.

7. Desenvolva o plano de ação

Um planejamento bem detalhado é importante, mas serve apenas como guia. Se não for possível aplicá-lo à realidade do negócio, será pouco eficiente. Por isso, cada meta definida deve conter uma estratégia a ser alcançada.

Se o objetivo for aumentar o market share (participação de mercado) ou o ticket médio em 10% nos próximos 12 meses, por exemplo, especifique como isso ocorrerá. Defina quem fará o que (profissionais responsáveis), como (metodologias e tecnologias adotadas), onde (ambiente externo, interno e online) e quando, além de quais e quantos recursos serão utilizados.

Nesse caso, o investimento no lançamento de produtos e serviços ainda não oferecidos pela concorrência, na qualificação dos profissionais e em ações de marketing digital pode ser uma boa ação.

8. Controle os resultados

Monitorar e controlar os resultados de perto são outras ações primordiais para garantir o sucesso do planejamento estratégico. Essa é a melhor maneira de descobrir possíveis desvios e adotar soluções imediatas de correção, mantendo a empresa sempre no rumo traçado para o alcance dos objetivos propostos.

No meio do caminho, oportunidades também podem ser descobertas, o que permite aos gestores potencializar a força do plano desenvolvido.

Como vimos, o planejamento estratégico não é difícil de ser feito, mas exige empenho. No final, você verá que vale a pena, pois ele vai servir como uma ferramenta para guiar o negócio ao sucesso.

E você, já preparou seu planejamento estratégico? Deixe um comentário e conte sua experiência para a gente!

No Comments Yet.

Leave a comment